Paulo Guedes, do pinochetismo ao bolsonarismo

Paulo Guedes, do pinochetismo ao bolsonarismo

Jeferson Miola                  

A ditadura de Augusto Pinochet estava a todo vapor, e a universidade vivia sob intervenção militar. Economistas de Chicago haviam sido convidados pelo regime a implementar uma política econômica liberal, baseada nos fundamentos da economia de mercado defendidos por Milton Friedman. Chamados de ‘Chicago boys’, eles se instalaram na universidade e se revezaram em cargos no governo. O convite a Guedes partiu de um deles, Jorge Selume, então diretor da Faculdade de Economia e Negócios e diretor de Orçamento de Pinochet”.

Essa passagem da vida do Paulo Guedes é retratada na reportagem da repórter Malu Gaspar na edição 144 da Revista Piauí.

A retórica atual do banqueiro indica que ele continua pensando da mesma maneira que pensava quando serviu intelectualmente a uma das mais sangrentas ditaduras da América Latina trabalhando na produção e implantação do programa econômico ultraliberal de Pinochet.

O pinochetismo [1973/1990], vale lembrar, legou ao Chile contemporâneo a maior taxa mundial de suicídios de idosos; fenômeno que é consequência direta das fórmulas macabras dos economistas da mesma escola do Guedes, que acabaram com a previdência pública e privatizaram radicalmente o sistema de aposentadorias e de seguridade social chileno.

Além de czar da economia, Guedes recebeu de Bolsonaro superpoderes. Ele terá atribuições para decidir sobre os fatores que embasam um pacto societário civilizado e democrático, como a previdência pública, os direitos do mundo do trabalho, a solidariedade e proteção social, a repartição e distribuição de renda, e o desenvolvimento soberano do país.

Guedes anunciou medidas drásticas, até mais profundas que as implementadas no Chile. Ele promete reduzir direitos de cidadania e aprofundar a reforma trabalhista; destruir bens comuns e públicos como a previdência social, o SUS, o ensino e a Universidade pública, para introduzir dispositivos de mercantilização e monetização das políticas sociais de Estado.

Guedes defendeu um programa selvagem de privatizações, a abertura indiscriminada da economia com desproteção da produção nacional, o abandono do MERCOSUL e o isolamento geopolítico e econômico que causará mais desindustrialização, piora da participação do Brasil no comércio mundial e perda de divisas.

A reportagem da Malu Gaspar faz ver, ainda, que Guedes tem mais identidade que diferença com a visão de mundo autoritária e reducionista do Bolsonaro. Os traços comuns entre os 2 são perceptíveis na evocação de Guedes de valores como ordem, autoridade, normatividade comportamental, poder, intolerância ideológica:

– “Eu posso entender quando Bolsonaro diz que a esquerda está deformando a qualidade do ensino. Ensinar uma ideologia obsoleta, destruidora de riqueza, desagregadora socialmente para uma criança é uma mutilação.

– Foi aí, nos valores, que eu comecei a entender quem era o cara. Não existe mais lei, não existe mais ordem. O Brasil virou uma zorra. O político rouba e não acontece nada. O black bloc rouba e não acontece nada. O MST quebra sua casa com um trator, faz o que quer, e não acontece nada. Nenhum político fala isso. São covardes. Têm medo do MST.

– Se morasse no campo e tivesse um pessoal querendo invadir minha casa, eu queria ter uma metralhadora.

–  Mataram a moça aí, e ficam ‘Marielle, Marielle, Marielle!’ Quando morre uma pessoa e fica todo mundo falando, eu suspeito. Não sou idiota. […] eu suspeito que tem algo por trás, que querem fazer alguma coisa com a morte dela.

– Eu sabia que tinha uma ditadura, mas para mim isso era irrelevante do ponto de vista intelectual.

– Eu comecei a ver que a política é uma ferramenta suja nas mãos dos menos aptos”.

O programa ultraliberal do Paulo Guedes se inspira no experimento ultraliberal executado no Chile sob o terror da ditadura pinochetista apoiada pelos EUA.

É um programa devastador, que desconstrói o ideal de nação e de Estado brasileiro. Se aplicado, trará consequências estruturais e trágicas que comprometem o futuro do Brasil, assim como da atual e das próximas gerações de brasileiros e brasileiras.

3 comentários em “Paulo Guedes, do pinochetismo ao bolsonarismo

  1. Eu lamento bastante o ponto que as classes dominantes e seus subordinados no Brasil podem chegar. Eles não tem um pingo de amor e consideração por este país e seu povo, tudo o que querem é fazer negócio, lucrar, ganhar milhões. Ao custo que for.

    Curtir

Deixe uma resposta para Almir Albuquerque Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s