Candidatura Moro é sintoma do apodrecimento da democracia

Jeferson Miola                                              

Se as instituições e a justiça funcionassem normalmente e o país não estivesse sob um Estado de Exceção, a candidatura presidencial do Sérgio Moro provocaria, além de muito asco e indignação, medidas legais severas do Estado brasileiro.

A preservação dos direitos políticos de Moro é uma aberração política e jurídica. E, também, uma bofetada no pouco que ainda resta de democracia no Brasil. É sintoma, enfim, do apodrecimento da democracia brasileira.

A Suprema Corte reconheceu que Moro foi um juiz suspeito, parcial; um agente mafioso que corrompeu o sistema de justiça para satisfazer interesses pessoais e políticos e dar vazão ao ódio de classe contra Lula e o PT.

Tanto mais se conhecem as consequências catastróficas para o país da atividade criminosa de Moro na magistratura – destruição da economia e de milhões de empregos, fome, miséria etc –, tanto mais revoltante é vê-lo ser incensado pela mídia e desfilando impunemente na arena política.

O atentado à democracia e ao Estado de Direito perpetrado por Moro e funcionários públicos que se articularam como máfia organizada a mando dos EUA é, sem dúvida, o maior de todos os crimes.

O reconhecimento da atuação suspeita e enviesada de um juiz é o mais grave castigo da carreira jurídica. Mais além de implicações de ordem ética ou moral, a suspeição do Moro deveria ensejar, contudo, medidas criminais e legais de parte das instituições do Estado.

O ex-juiz, assim como outros comparsas da gangue de Curitiba que agora se lançam sem disfarces na política partidária, como Dallagnol e Janot, deveriam estar respondendo a processos judiciais e, inclusive, em alguns casos, já deveriam estar em prisão preventiva.

Enquanto as oligarquias dominantes e sua mídia hegemônica empenham-se em cacifar Moro como opção para a continuidade do programa ultraliberal sem Bolsonaro, o mundo se escandaliza com a impunidade daquele que é o grande executor do maior escândalo de corrupção judicial da história.

É preciso repetir que a candidatura de Moro é um ataque à democracia e significa a sublimação, pelas oligarquias dominantes e sua mídia, do gangsterismo político. Moro é inimigo da democracia e representa uma ameaça perigosa e permanente ao Estado de Direito.

Ele é uma variante do Bolsonaro e do bolsonarismo com outro figurino. Os mesmos setores que o apoiam – capital financeiro, lúmpen-burguesia, latifundiários, direita, extrema-direita e partido dos generais – são os mesmos que apoiam e sustentam Bolsonaro e o governo militar.

Publicidade

Um comentário em “Candidatura Moro é sintoma do apodrecimento da democracia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s