Deltan e Lacerda, duas faces e duas épocas do fascismo brasileiro

Jeferson Miola                                         

Millôr Fernandes dizia que o Brasil tem um enorme passado pela frente. A ação da gangue da Lava Jato confirma tanto a validade como a atualidade desta constatação bem humorada; porém, trágica.

No dia 14 de setembro de 2016, numa solenidade espalhafatosa transmitida ao vivo pelas redes de rádio e TV do país, Deltan Dallagnol sentenciou: “um conjunto de evidências e de contextos que nos fazem concluir, para além de qualquer dúvida razoável, que Lula foi o comandante do esquema criminoso descoberto pela Lava Jato”.

Na pantomima de apresentação do powerpoint, o convicto Deltan sustentou que “provas demonstram que Lula era o grande general que comandou a realização e a continuidade da prática dos crimes”.

O pastor-procurador disse ainda ter “evidências que apontam para Lula como peça central da Lava Jato”, como pode ser revisto neste trecho de 45 segundos de transmissão da TV Migalhas:
Deltan-powerpointNo filme Getúlio, produzido por Carla Camurati, Carlos Diegues e Pedro Borges e dirigido por João Jardim em 2014 [dois anos antes do powerpoint do Deltan, portanto], tem uma cena em que Carlos Lacerda, em papel representado pelo ator Alexandre Borges, desenha na lousa o powerpoint de condenação do então presidente Getúlio Vargas.

Naqueles dias tumultuados de agosto de 1954 que precediam o suicídio de Getúlio, Lacerda denunciava que os envolvidos no atentado da Rua Tonelero [4/8/1954] estavam “todos a serviço de um único chefe”, e, então, teatralmente, circunda com giz o nome de Getúlio situado no centro do fluxograma.

Num gesto teatral ensaiado, tal como o convicto Deltan viria a repetir 62 anos mais tarde, Lacerda sentenciou: “Perante deus, eu acuso um só homem pelo assassinato do major da Aeronáutica e pelo tiro que me atingiu. Esse homem é o presidente da República, Getúlio Vargas!” [vídeo].
Lacerda no filme GetúlioDeltan e Lacerda são duas faces de duas épocas diferentes do fascismo brasileiro. Ambos representam falanges de extrema-direita fascista que cumpriram, cada qual a seu tempo, papel decisivo na desestabilização política e na conspiração para derrubar governos de recorte nacional-popular.

Enquanto Lacerda foi um expoente implacável e canino do antigetulismo, a facção Moro-lavajatista cumpriu idêntico papel na disseminação do ódio e da violência antipetista.

Por trás desses dois acontecimentos da extrema-direita fascista, em comun há a atuação conspirativa e de tutela militar das cúpulas partidarizadas das Forças Armadas.

Se o Brasil tem um enorme passado pela frente, como dizia Millôr, é porque a história sempre pode se repetir., e para pior Marx dizia que a história acontece pela primeira vez como tragédia e pela segunda vez como farsa. No Brasil, no entanto, esta repetição histórica é uma terrível tragédia.

Publicidade

Um comentário em “Deltan e Lacerda, duas faces e duas épocas do fascismo brasileiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s